ABPM NA INTERNET:

Conecte-se à ABPM:

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Feirantes vendem produtos com agrotóxico como orgânicos em SC

Publicado em 01/02/2016 - por G1/SC - RBS TV

Feirantes flagrados pela RBS TV lucram com a venda de alimentos orgânicos falsos em Florianópolis. A equipe de reportagem gravou imagens de dois deles comprando produtos em Centrais de Abastecimento (Ceasa) e vendendo em feiras e restaurantes por preços maiores que os convencionais por, supostamente, não possuírem agroquímicos (veja vídeo acima).

Um dos feirantes apresenta um discurso de qualidade de vida e se diz até um dos fundadores da agricultura orgânica no Brasil, mas foi visto comprando produtos cultivados com pesticidas e vendendo como orgânicos na feira da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Ele afirma faturar R$ 2 mil a cada feira.

Feirante (de vermelho) foi flagrado comprando
produtos com agrotóxicos e vendendo como
sendo orgânico (Foto: Reprodução/RBS TV)

Certificados
O preço do alimento orgânico é baseado na remuneração do trabalhador, que desempenha uma atividade artesanal. Enquanto isso, na agricultura convencional, o custo está transferido para máquinas e insumos químicos.

Por lei, o produtor de orgânicos precisa ter um certificado comprovando a origem do produto ou um registro no Ministério da Agricultura. A equipe da RBS TV enviou os produtos de um feirante supostamente orgânico de Florianópolis para análise laboratorial e ficou comprovado que os alimentos continham agroquímicos.

Sítio abastece restaurantes
O proprietário de um sítio na capital catarinense tem certificação orgânica e ainda assim adquire produtos em uma Ceasa produzido com insumos. Ele também foi flagrado pela reportagem. Com um caminhão carregado, ele sai para fazer entregas em vários bairros e abastece restaurantes que oferecem refeições orgânicas.

Normas
Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o agrotóxico provoca impotência, infertilidade, má formação fetal, aumenta risco de obesidade e ainda provoca câncer. Vanice Schmidt, gerente técnica da Ecocert, empresa responsável por emitir certificações agrícolas, explica que há uma série de normas exigidas do produtor para para usar o selo de certificação orgânica.

"Uma vez comprovada qualquer fraude ou intenção de fraude, a certificadora tem a obrigação de retirar desse produtor o direito de se declarar orgânico e mesmo em outras situações que não sejam de fraude, mas de desrespeito, pode ser a utilização de um produto não conforme no solo, pode ser uma relação trabalhista que não respeite o trabalhador brasileiro, isso também é uma causa pode levar a suspensão de um produtor", afirmou.

Segundo Vanice, a suspensão é sempre decorrente de um processo de investigação. "Essa medida é tomada quando há um desrespeito a um item da norma. Ele perde o direito de comunicar ao consumidor que o seu produto e orgânico", explica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, estamos aguardando a sua participação. Obrigada!