ABPM NA INTERNET:

Conecte-se à ABPM:

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Morre Dr. Luiz Borges Júnior, defensor da produção de maçãs

  • O engenheiro tem uma carreira dedicada a fruticultura brasileira

Faleceu aos 73 anos em Florianópolis, um dos primeiros engenheiro agrônomo brasileiro que se dedicou a pesquisas da maçã. Luiz Borges Junior estava internado no hospital da Caridade em Florianópolis e será velado no Centro de Eventos de Fraiburgo. O sepultamento está agendado para acontecer às 14 horas dessa terça-feira (9). Dr. Luiz sofreu um acidente de carro em 27 de setembro de 2015, internado passou por cirurgia, teve alta e voltou para casa, mas, voltou a ser internado foi vítima de bactéria hospitalar.

O Engenheiro Agrônomo, Dr. Luiz Borges Júnior, era formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com treinamentos técnicos em classificação e armazenagem de frutas, realizados nos Estados Unidos e na Alemanha. Nasceu em Lages-SC em 30/11/1942. Iniciou a carreira no final dos anos 60, em reflorestamento e no início da década de 70, tornou-se um dos pioneiros e líder do cultivo da maçã no Brasil.

Desde 1975, Dr. Luiz, estava à frente de diversas associações de fruticultura. De 1988 a 2004, foi presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã (ABPM), e desde 1994, era membro da diretoria do Instituto Brasileiro de Frutas e presidente da Comissão Nacional de Fruticultura da Confederação Nacional da Agricultura - CNF/CNA. Participava, ainda, como membro, da Comissão de Assessoria Externa da Embrapa Clima Temperado, em Pelotas; da Assessoria Externa da Embrapa Uva e Vinho e do Conselho de Produção Integrada de Frutas do Ministério da Agricultura.

Um pouco da história

Quando se chegou a seu apogeu da extração de madeira em Fraiburgo, a família Frey iniciou a busca por novas culturas e fontes de renda. Em torno da década de 60, começaram a ser plantadas as primeiras frutas de caroço. Já em 1963 as primeiras mudas de maçã foram trazidas para Fraiburgo, após terem sido arrancadas no fim do inverno europeu e transportadas para o Brasil. Elas foram mantidas por cinco meses em câmaras frias sob a supervisão do Engenheiro Agrônomo Roger Biau. Foi somente 13 anos depois, em 1976 que a fruta passou a ser produzida em grande escala.

Além de Roger Biau, outro Engenheiro Agrônomo, teve papel importante na implantação da nova cultura. Luiz Borges Junior, natural de Lages, foi o primeiro Técnico brasileiro a trabalhar com maçã. Ele chegou a Fraiburgo em 1967, inicialmente veio para efetuar a medição de um terreno no qual a família Frey iria implantar um reflorestamento, porém, após esse primeiro contato foi convidado para que permanecesse, onde desempenhou sua atividade de engenheiro junto aos reflorestamentos existentes.

Borges explicou que na época os experimentos com a maçã e também as mais diversas frutas de caroço estava apenas no começo. Nesse período o governo brasileiro estava interessado em incentivar o cultivo da maçã, e técnicos dos Estados Unidos vieram ao Brasil e realizaram visitas em vários municípios, menos em Fraiburgo e emitiram um relatório afirmando que não havia clima favorável ao desenvolvimento da Cultura no país. Pouco tempo depois, um técnico francês veio para o Brasil fazer uma nova análise, além de realizar todas as visitas que os americanos já haviam feito, ele se lembrou que no ano de 1963 havia enviado mudas de macieiras para Fraiburgo. Com isso, o técnico francês informou ao Governo Brasileiro que queria conhecer o município, e quando chegou, as macieiras estavam carregadas de fruta, comprovando que as condições climáticas da região eram sim favoráveis ao cultivo da maçã.

"Roger foi à pessoa certa, na hora certa e no momento certo, pois as possibilidades de fracasso eram superiores ao do sucesso. Felizmente o sucesso se sobressaiu, pois Fraiburgo vivia o seu apogeu da extração de madeira e era necessária uma nova economia", comentou.

Luiz Borges Junior, mais conhecido como Doutor Luiz Borges, disse que Fraiburgo naquela época era apenas formado pelas localidades de X de Novembro e Liberata, e justamente pelo pouco desenvolvimento até então, o motivou a ficar por aqui, pois viu uma grande oportunidade de crescimento profissional. Luiz Borges destacou que a maçã foi a grande responsável pelo desenvolvimento do município de Fraiburgo, porém para ele, o ciclo da maçã está chegando ao fim. Doutor Luiz Borges acredita que o município se tornará um grande centro distribuidor em função da grande estrutura que possui com as câmaras frias (Texto escrito em 2011).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, estamos aguardando a sua participação. Obrigada!