ABPM NA INTERNET:

Conecte-se à ABPM:

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Menos impostos, mais agronegócio

Publicado em 10/11/2015 por Antonio Alvarenga

Aumentar o valor agregado dos produtos exportados significará o desenvolvimento consistente da agroindústria, gerando mais empregos e riquezas para o país

É inegável e perfeitamente compreensível que a sociedade esteja rejeitando a criação de impostos para solucionar os graves problemas que assolam a economia. O que se espera do governo é austeridade e eficiência. Desejamos drástica redução de despesas, com o encolhimento da gigantesca máquina pública e dos inúmeros programas assistencialistas, que foram sendo criados de forma irresponsável nos últimos anos.

O país parece um paciente em UTI, tratado por uma equipe de médicos incompetentes que não se entendem. Além dos inevitáveis ajustes que se fazem necessários nas contas públicas, a solução dessa crise dependerá do mercado externo, sobretudo do crescimento das exportações, onde o agronegócio tem sido protagonista.

Nosso agro é um sucesso no comércio exterior, superando a marca dos U$ 100 bilhões de vendas de produtos de origem agropecuária. E poderá fazer muito mais, ampliando as exportações. A demanda global por alimentos permanecerá em crescimento durante muito tempo, em decorrência do aumento da população e do inevitável processo de urbanização dos países em desenvolvimento, como a China.

Devemos aproveitar nossas vantagens comparativas. Temos disponibilidade de terras, clima adequado e tecnologia apropriada para continuar avançando na produção de alimentos, fibras, energia e florestas. A incansável ministra da agricultura, Kátia Abreu, tem conquistado importantes progressos na abertura de novos mercados, superando barreiras sanitárias e rompendo entraves comerciais e tarifários de alguns dos mais importantes países importadores de alimentos. É o caso de China, Rússia, Japão e Estados Unidos, que abriram novas perspectivas para exportações de carnes, leite e derivados.

Há muito o agronegócio brasileiro se ressentia de uma política de comércio exterior mais estruturada e consistente, compatível com sua importância no mercado internacional. Temos uma longa trajetória para alcançar um novo patamar, com a incorporação de maior valor agregado aos nossos produtos. Para tanto, precisamos melhorar nosso marketing internacional, demonstrar qualidade e respeito que temos às boas práticas de sustentabilidade.

Aumentar o valor agregado dos produtos exportados significará o desenvolvimento consistente da agroindústria, gerando mais empregos e riquezas para o país. Em alguns casos, já conquistamos excelentes resultados e incontestáveis destaques, como nas carnes de frango. O café é um exemplo típico das oportunidades que podemos explorar.

Precisamos também estimular a expansão dos mecanismos de rastreabilidade e certificação de produtos, com selos de sustentabilidade, indicação geográfica e denominação de origem, para ampliar mercados de produtos mais valorizados no mercado internacional. Há muito o que fazer para ajustar a economia e colocar o país em uma trajetória de crescimento sustentável.

O bom senso econômico sugere prioridade no desenvolvimento da agropecuária, onde temos eficiência e competitividade comprovadas.

Presidente da Sociedade Nacional da Agricultura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, estamos aguardando a sua participação. Obrigada!