ABPM NA INTERNET:

Conecte-se à ABPM:

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Governo cede pressão argentina e prejudica produtores de maçã

Governo cede pressão argentina e prejudica produtores de maçã de Palmas/PR

08/07 
Liberação da importação de maçãs do país vizinho traz o risco de nova infestação da Cydia pomonella.

Guilherme Zimermann

Com o anúncio da erradicação da Cydia pomonella, o Governo brasileiro anunciou no mês de março, a suspensão da importação de maçãs, pêras e marmelos da Argentina, decisão tomada, à princípio, para proteger os agricultores brasileiros de uma possível volta da doença. Na época, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, afirmou que “na questão de defesa sanitária e controle de pragas e doenças, o Brasil não pode transigir. A tolerância será zero, independentemente do parceiro comercial”.

Menos de três meses depois do anúncio da suspensão, o Governo brasileiro revogou o embargo às frutas argentinas. Coincidentemente, no mesmo dia, a Argentina, após três anos, retirou o embargo à carne brasileira, que desde 2012 tinha a sua venda proibida no país vizinho, por causa da confirmação de um caso do mal da vaca louca em Mato Grosso. Embora o Brasil não seja exportador de carne para a Argentina, o Ministério da Agricultura avaliava que o embargo prejudicava a imagem da carne brasileira no exterior e comprometia oportunidades de negócios com outros países.

As suspensões foram vistas como uma troca de favores entre Brasil e Argentina, desagradando, principalmente os fruticultores brasileiros, sobretudo, do sul do país. Os produtores, através da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã (ABPM) e outras entidades representativas deverão ingressar com representações contra o Governo brasileiro e contra a ministra da Agricultura e seus assessores. A informação é do presidente da Frutipar (Associação dos Fruticultores do Paraná) e diretor técnico de qualidade da ABPM, Ivanir Dalanhol.

Conforme ele, num caso único no mundo, após muito tempo, mão-de-obra e dinheiro público, o Brasil conseguiu a erradicação da Cydia pomonella. Após isso, já com o anúncio de que o país estava livre da doença, a ABPM iniciou ações para que o país fechasse as suas fronteiras para a entrada de frutas argentinas, para proteger a produção brasileira. O Governo levou um ano para atender os pedidos dos produtores.

Revelou que mesmo durante o período de embargo, o Ministério da Agricultura autorizou a entrada de 50 cargas de maçãs da Argentina. Dessas, 28 cargas continham frutas com larvas da Cydia pomonella vivas. “Ou seja, não adiantou nada!”, declara Dalanhol.

Após isso, veio a liberação total e a entrada de qualquer fruta argentina em solo brasileiro. “Num canetaço, liberou tudo e facilitou de uma forma tão grande, que nós não conseguimos entender o quê o Ministério da Agricultura está querendo com isso. Parece até que está jogando contra o produtor de fruta do Brasil.”, dispara.

Informou que as entidades estudam o ingresso das representações, pois questionam a veracidade das promessas do Governo argentino em mitigar a Cydia pomonella. De acordo com o Ministério da Agricultura, foi solicitado à Argentina, a reavaliação in loco do planejamento de contingência e mitigação de riscos para a praga, o que foi atendido pelo país vizinho. “Nós sabemos que é mentira! Na última safra a Argentina deveria colher 900 mil toneladas de maçã, quase 1 milhão. Colheu 600 mil. As outras 300 mil ficaram nas plantas, criando Cydia pomonella.”, acusa Dalanhol.

A estimativa do setor é de que, no máximo, em três anos, a doença estará novamente nos pomares brasileiros, atacando as frutas e aumentando os custos de produção para o controle da praga. Dalanhol rechaçou as justificativas da ministra Kátia Abreu, de que o embargo da carne brasileira por parte da Argentina, manchava a imagem do país em outros mercados. “Eu quero saber o quanto que a Argentina compra de carne brasileira. Eles produzem um gado de primeira linha, com uma carne que dá um banho de sabor e qualidade na carne brasileira. A ministra falou que fica chato um país vizinho fechar a fronteira e a gente exportar para outros países. Isso é uma bobagem! Uma bobagem tão grande, que não podemos admitir que um país do tamanho da Argentina, mande no Brasil, porque é isso que eles estão fazendo, mandando no Brasil!”, critica, apontando para o risco da entrada de frutas contaminadas de também de outros países, como a Itália, França e Espanha.

Como diretor-técnico da ABPM, Dalanhol também atua junto à Frente Parlamentar da Agricultura, na Câmara dos Deputados, como representante da fruticultura. Informou que deverá participar de uma reunião junto aos deputados para também buscar apoio e encontrar uma solução para o impasse. No entanto, não demonstra muita confiança sobre a atuação dos parlamentares sobre o assunto. “Parece que os deputados entraram nesse jogo da ministra, de liberar a carne. Quando nós conversamos (com os parlamentares) ficou um clima de incerteza. Não sei se teremos muita força dentro da Frente Parlamentar da Agricultura nesse momento.”, finalizou.
Fonte Original:  http://www.rbj.com.br/geral/governo-cede-pressao-argentina-e-prejudica-produtores-de-maca-de-palmas-2414.html

Um comentário:

  1. Fonte: http://www.rbj.com.br/geral/governo-cede-pressao-argentina-e-prejudica-produtores-de-maca-de-palmas-2414.html

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, estamos aguardando a sua participação. Obrigada!