ABPM NA INTERNET:

Conecte-se à ABPM:

sexta-feira, 12 de junho de 2015

SC Paraíso da Maçã - Diário Catarinense é Novamente Premiado pela Matéria.

Diário Catarinense e Pioneiro vencem 7º Prêmio Sebrae de Jornalismo

Fonte: http://www.segs.com.br/demais/45276-diario-catarinense-e-pioneiro-vencem-7-premio-sebrae-de-jornalismo.html

A seguir a matéria, sobre a maçã,  premiada nesta semana. A mesma foi vinculada em abril de 2014.


SC - A terra da maçã perfeita


Crocante, suculenta e de uma doçura incomparável, a fuji catarinense reina absoluta no mercado internacional. Conheça os segredos que fazem de São Joaquim o local ideal para o cultivo da fruta

A 1.465 metros acima do nível do mar e 16 km do Centro de São Joaquim, região serrana de Santa Catarina, fica o pomar de Francisco de Assis Demeciano, 62 anos. Ao clarear o dia ele, a mulher, o filho e a nora começam a colher uma a uma as maçãs que mais tarde viajarão o Brasil inteiro até chegarem às gôndolas dos supermercados como uma das frutas mais valorizadas do mundo. Crocante, suculenta e de uma doçura incomparável, a maçã catarinense reina absoluta. E faz da região de São Joaquim a maior produtora do Brasil.

Desde 1902 se tem registro do cultivo de maçã no Estado pelos primeiros imigrantes europeus. Demeciano viu a produção da fruta tomar vulto a partir dos anos 1970, quando seu pai, também agricultor, plantava batatas. Nessa época pesquisadores japoneses vieram ao Brasil, entre eles o dr. Kenshi Ushirozawa, e trouxeram as primeiras mudas da variedade fuji, a preferida dos brasileiros.

— Em poucos lugares do mundo se consegue produzir a Fuji com qualidade — afirma Marcelo Cruz de Liz, engenheiro agrônomo da Estação Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) em São Joaquim.

Os próprios japoneses hoje afirmam que a fuji catarinense é melhor que a produzida no Oriente. Só se consegue produzir a fruta com a coloração, formato e qualidade ideais acima de 1,2 mil metros acima do nível do mar. A região de São Joaquim fica num dos pontos mais altos do país, numa altitude média de 1.360 metros e tem cerca de 800 horas de frio por ano, condição ideal para a fuji. A variedade gala, que representa 40% de toda a produção de maçãs no Estado, produz bem em altitudes de até 800 metros.

Foi também nos anos 1970 que o Estado investiu muito na fruticultura através de pesquisa e extensão rural. Com a instalação da Estação Experimental da Epagri, cientistas chegaram à macieira ideal, capaz de produzir mais frutos e mais resistente a pragas.

— A maçã é um cultivo de detalhe. E exige muita técnica do ponto de vista fisiológico e no manejo das plantas — diz o agrônomo.

Segundo o pesquisador da Epagri Gilberto Nava, há 40 anos praticamente não existia maçã no Brasil, a fruta era importada do Chile ou da Argentina. Graças à pesquisa e agenciamento de cientistas se começou a plantar e produzir por aqui.

O resultado se vê na importância que o cultivo da fruta tem para a economia primária catarinense: a maçã é a décima em relevância de todos os produtos agropecuários, atrás apenas da carne suína, frango, soja, entre outros, e na lista das frutas é a que mais se destaca, representando 45% do mercado de frutas de Santa Catarina no último estudo sobre fruticultura catarinense da Espagri, de 2012/2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, estamos aguardando a sua participação. Obrigada!