ABPM NA INTERNET:

Conecte-se à ABPM:

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Supermercados franceses atraem clientela com promoção para frutas e vegetais feios

Chega de esconder os morangos feios no fundo da caixa. Na França, as frutas e os legumes esteticamente imperfeitos finalmente encontraram seu lugar ao sol. Grandes ou pequenos demais, tortos, mal-formados, achatados, esquisitos ou com formas estranhas: redes de supermercados estão promovendo campanhas para o consumo dos produtos “moches” (feios, em francês) com descontos de até 30% do preço original.
O objetivo é diminuir o desperdício alimentar, já que, dependendo da variedade das frutas e dos legumes, entre 10% e 30% deles acabam indo para o lixo, boa parte por causa do aspecto desvantajoso do produto.

O primeiro supermercado a tentar a experiência foi o Intermarché, que há um mês oferece os produtos moches em sua filial na cidade de Provins, a 90 quilômetros de Paris. O sucesso foi muito maior do que o esperado e em apenas dois dias foi vendida 1,2 tonelada de vegetais feios. “Em toda minha longa carreira de publicitário, nunca vi tantas mensagens positivas acerca de uma campanha. E isso em um setor frequentemente atacado, o da grande distribuição”, disse em entrevista ao jornal francês Le Parisien Mathieu Delcourt, responsável de marketing do Intermarché.

Os legumes em formas engraçadas e pouco habituais foram transformados em personagens simpáticos através de fotos publicitárias, acompanhados de frases bem-humoradas destacando que o sabor dos alimentos é mais importante que sua aparência.
A iniciativa conquistou os franceses e se espalhou nas redes sociais. O Intermarché ganhou milhares de novos seguidores em sua página do Facebook e sua marca passou a ser três vezes mais comentada na internet desde o início da campanha. Diante de tamanho sucesso, outras redes de supermercado decidiram entrar no setor dos legumes feiosos, entre elas a Auchan, que oferece os produtos há um mês em sua filial na cidade de Vélezy, periferia da capital francesa, e o Monoprix, que inaugurou sua prateleira de frutas despadronizadas há duas semanas em 17 de suas lojas.
“Estes primeiros dias de campanha têm sido bastante positivos. O público está recebendo a ideia muito bem porque as pessoas entendem que o formato dos produtos pode variar, mas o gosto é o mesmo”, afirma Jonathan Soyez, responsável pelo setor de comunicação do Monoprix, para o Opera Mundi. “Acho que o desconto de 30% também deu um empurrãozinho”, brinca. 

Apesar do Monoprix ter implementado a novidade um mês depois do sucesso do Intermarché, Soyez afirma que a ideia já vem sendo discutida há bastante tempo na empresa. “Estudamos com cuidado a iniciativa porque queríamos adotar o empreendimento a longo prazo. Demoramos para por em prática pois queríamos fazer direito”, explica o responsável.


Feios, porém gostosos
Os novos produtos têm a etiqueta “Quoi ma gueule”, homenagem a uma música do cantor francês Johnny Hallyday na qual lamenta os olhares atravessados e julgamentos sobre sua aparência. A marca é uma criação da empresa Sols & Fruits e aproveitou o nicho do mercado para se especializar na comercialização dos vegetais que antes eram rejeitados.

A seleção das frutas imperfeitas varia de acordo com a espécie. No caso das cerejas, que entram em alta temporada nas próximas semanas na França, acontece justamente o inverso: não há seleção – as frutas são vendidas exatamente como são colhidas. Em condições normais, 40% das cerejas iriam para o lixo por serem grandes ou pequenas demais, por isso a marca Quoi ma gueule? teve a ideia de comprar as frutas sem triagem. Os produtores vendem mais barato, mas por outro lado não desperdiçam nenhuma unidade e ainda economizam no tempo e na mão-de-obra.

O grande desperdício de frutas e legumes também custa caro para os consumidores, pois no preço de cada fruta comprada no supermercado está embutido também o valor daquela rejeitada por não ser redonda ou lisa suficiente. Por isso, mesmo quem preferir continuar comprando seus legumes perfeitos pode acabar sendo beneficiado pela novidade. Os consumidores são só elogios: “Chega de frutas e legumes brilhantes e saídos de uma forma perfeita. A natureza é tolerante, ela nos dá produtos multicoloridos e em formas diversas”, diz um cliente adepto da novidade.

Nota: Esta Notícia foi enviada como sugestão pelo leitor Ricardo de Souza Arruda Filho, da Associada Frutini - Fruticultura Aliprandini Ltda. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, estamos aguardando a sua participação. Obrigada!